quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Círio

Um amigo mineiro perguntou o por quê de querermos (nós, paraenses em BH) tanto ir pra Belém no Círio.
Na hora, acho que não consegui fazê-lo entender.
Podia dizer que era o nosso Natal, mas não seria o bastante.
Podia dizer que dava uma sensação de casa mais que tudo, mas não seria o bastante.
Podia explicar que não são exatamente 2 milhões de católicos nas ruas, mas 2 milhões de pessoas envolvidas por essa coisa que eu tento explicar pra ele e não consigo dizer o que é.
Podia explicar a aura de paz que cobre as nossas casas, e ainda assim, não sei se seria o suficiente.
Podia dizer que é um dos momentos máximos da nossa cultura, muito além das religiões.
Contar pra ele das dondocas e dos sobrenomes da cidade ajudando as pessoas, distribuindo água, piedade, solidariedade.
Falar pra ele da metáfora de que somos todos iguais na loucura que é a famosa "corda": preto, branco, gordo, magro, rico, pobre - todo mundo junto, apertado, sofrendo de calor, pisando no pé, e feliz da vida de estar lá.
E ainda dos adolescentes (aqui também entram ricos, pobres etc) que se recrutam voluntariamente na Cruz Vermelha, mesmo que para alguns, este seja o momento máximo de proximidade com a igreja, seja por estarem pagando uma promessa, seja pra passar no vestibular, ou simplesmente porque está super na moda ser da Cruz Vermelha no Círio.
Tudo isso ainda não me satisfaz como resposta àquela pergunta. Falta explicar justamente aquela coisa que acontece com a gente, como se a cidade ficasse envolta numa bolha de boas energias, se é que isso é possível...
Ah, querido amigo mineiro, o Círio seria mais ous menos tudo isso e esse algo a mais que não me vem.
Uma energia boa imensa que... sei lá!
Então, eu que um dia ergui a bandeira das palavras, me rendo aos poderes da imagem...
O Círio é isso:

3 comentários:

mami disse...

Falta apenas dizer pros mineiros que no círio a saudade de quem tá longe se quadriplica e que a família paraense revigora seus laços. Você fez muita falta.

Vicente disse...

bonito. muito bonito..

podes dizer tb que círio é um instinto natural do paraense. quando vai chegando perto a data, vamos criando expectativas e vontades de estar perto.

círio é infância, quando nossa mãe nos fazia acreditar que lá estava a mãezinha do céu, a apenas 2 passos.
círio é adolescencia, quando aprendemos a criar uma noção de comunidade
círio é maturidade, quando criamos uma responsabilidade pelo social ao ajudar nem que seja com um simples aplauso incentivando quem já está sem forças pra continuar.
círio é velhice, quando achamos que já vimos muitos círios na vida e mesmo assim nos emocionamos como se fosse a 1a vez.

Maíra disse...

lindo, vi, adorei!!!
é isso mesmo!!!