quarta-feira, 7 de junho de 2006

O Fantaaaaaaaaaaasma da Ópera estáááááá....

São Paulo, 01 de junho de 2006.
Seguindo o programa de bolso do Renatinha, pela manhã passeios tradicionais.
Mercado Municipal. Lindo, limpo, e cheio de coisas gostosas. Pastel de bacalhau (segundo o papai, lá onde o André e a Júlia foram comer na novela... é, meu pai está viciado em Belíssima!). Sanduíche de mortadela (ou “mortandela”, segundo “os mano”), mas esse só pra olhar mesmo, porque, eca, dá nojo daquele treco. Queijos, muitos queijos (primadona e gorgonzola, hummmmm). Azeitona Argentina, tudo de bom. E a famosa cachaça canelinha que a Renatinha tanto falava... Muito doce.
Caminhada pela 25 de março. Puro cooper, porque comprar que é bom estava realmente fora dos planos. Os policiais passando por lá e os camelôs enrolando sei lá como as mercadorias embaixo do braço, são uma atração à parte. Segundos depois ta todo mundo no mesmo lugar, uma perfeita metáfora da fiscalização de tudo no Brasil. O mais interessante é que os vendedores dos shoppings (ou da China!) que são tão ilegais e cheios de contrabando quanto os camelôs, até acenam e mandam beijinhos pros policiais... vai entender!
A compra do dia: um binóculo para assistir a Marisa Monte. Paciência, só conseguimos comprar ingresso para a platéia superior na qual, segundo a comunidade dela no orkut, só dá pra ver um pontinho branco vestido de preto e vermelho cantando. O binóculo chinês é um espetáculo, funciona como luneta, pois só dá pra enxergar se taparmos um dos olhos, uma beleza!
À noite, contrariando todas as desesperanças, conseguimos comprar ingressos para o Fantasma da Ópera para o mesmo dia, tudo bem que mais uma vez era platéia superior, mas enfim, já tínhamos nosso super-binóculo-chinês-pra-ver-com-um-olho-só que acabaria com esse problema.
Sobre a ópera, não há palavras suficientes pra dizer o quanto é linda. A produção é um espetáculo, figurino (e trocas de figurino), cenário (e trocas de cenário), atores/cantores etc. Fora que meu conhecimento leigo sobre a história do Fantasma estava completamente equivocado, ele não é exatamente o mocinho como eu achava (dããããã), mocinho é o Raoul, muito mais bonito por sinal, mas que cantava muito menos que o “Anjo da Música”.
Mas uma coisa marcou a noite. All I Ask Of You. A música mais conhecida da ópera. Na tradução deles, a música era mais ou menos assim:
Raoul:
Então diga que partilhará comigo um amor, uma vida
Permita-me te tirar desta solidãodiga que precisa de mim, com você ao seu lado
Aonde quer que você vá permita-me ir junto.
Christine, isso é tudo que te peço.
Christine:
Diga que partilhará comigo um amor, uma vida
Fale apenas isso e eu te seguirei
Porém, no entanto, todavia... Quem é que lembra que uma outra tradução dessa música embalava nossas salas assistindo a novela das 8??? Tieta!!!!! Era mais ou menos assim:
Ele:
Olha nos meus olhos, esquece o que passou.
Aqui neste momento, silencio ou sentimento.
Sou o teu poeta, eu sou o teu cantor
Teu rei e teu escravo, teu rio e tua estrada.
Ela:
Vem comigo, meu amado amigo
Nessa noite clara de verão
Seja sempre meu melhor presente
Vou contigo, seja aonde for
E onde estiver estou.

E foi assim que olhava pra Christine e pro Raoul, e me lembrava cheia de saudades de Maria Imaculada e Caaaaardo!!!!!

2 comentários:

Tiago disse...

Legal essa história! Mas ser igual a história do Dan Brown - escreveu Anjos e Demônios antes, mas o que vendeu mesmo foi o Código da Vinci.
Acho que o Fantasma da ópera é o Anjos e Demônios.
O Paulinho Moska, Pequeno Príncipe e os quilinhos de arroz serão o Código da Vinci deste Blog!! hehehehehe
Beijos
Tiagol

Renata disse...

O Tiago já sabe de tudo isso??????????????????????????
Caraca!
Acho que já estamos virando lenda.